Fundação Somar forma primeira turma de empreendedores sociais no Centro SOMAR de Inovação Social

Compartilhe este post

Fundação Somar forma primeira turma de empreendedores sociais no Centro SOMAR de Inovação Social

A Fundação Somar, rede solidária da Prefeitura de Florianópolis, realizou a formatura da primeira edição do Programa SOMAR de Inovação e Empreendedorismo Social na noite desta quinta-feira, 16, no Centro SOMAR de Inovação Social. Durante o evento, os participantes do programa tiveram a oportunidade de apresentar a evolução dos seus negócios sociais e receber o certificado de conclusão do curso, que contou com mentorias, palestras e workshops do SEBRAE-SC no período de oito semanas. Modelo e Plano de Negócio, Gestão de Recurso Financeiro, Recursos Humanos e Comunicação Digital estiveram entre os temas trabalhados.

Para a presidente da Fundação Somar, Cintia de Queiroz Loureiro, investir no empreendedorismo social é uma forma de diminuir as desigualdades socioeconômicas. “O programa nasceu com o intuito de ampliar os horizontes e unir pessoas com o mesmo propósito de impactar positivamente a comunidade. Mas para que essas iniciativas deem frutos é preciso preparar as pessoas”, acrescenta Cintia.

Na mesma linha de pensamento, o Gerente Regional do Sebrae/SC, Wanderley Andrade reitera a importância da capacitação para tornar o empreendedorismo sustentável. “Não tenho dúvidas de que conseguimos passar aos participantes a importância de enxergar o empreendedorismo social também como um negócio, que precisa de renda e gerar lucro, para que consigam se desenvolver e se consolidar neste ecossistema de Florianópolis”, afirma o gerente.

Os benefícios do programa
A jornada foi guiada pelo especialista em estratégia e inovação, Fábio F. Nunes, que tem como papel (re) direcionar “apaixonados iludidos” pelas próprias ideias em processos de aceleração de startups pelo país. Depois de 8 semanas, Nunes enfatiza que o grupo aproveitou cada instante da capacitação, evoluindo durante o período o que muitos empreendedores não alcançam em 8 meses. “Eles mostraram que podem ser Empreendedores Sociais sensacionais, construtores de modelos de negócios em torno de suas ideias apaixonantes. Foram capazes de avaliar suas hipóteses, criar novas possibilidades, e depois de validar as melhores probabilidades, agora convencidos, poderão não só somar suas ideias sociais, mas multiplicar seus resultados empreendedores” acrescenta o especialista.

O participante do programa com o projeto coletivo Anatote, Paulo Guimarães, destaca que a imersão possibilitou aperfeiçoar as ideias e ampliar o conhecimento sobre empreendedorismo. “Aprendemos também que somente o social não se mantém sustentável, é preciso o remo do empreendedorismo para ir mais longe. E quero aqui agradecer pela oportunidade, saibam que vocês fazem parte da nossa história e juntos daremos bons frutos”, conclui Guimarães.

Compartilhe este post

Menu